quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

"Tempo, tempo, mano, velho... falta um tanto ainda eu sei pra você correr macio"


Sei que escrever um blog não é copiar e salvar. Acho que ando copiando para salvá-lo... do perigo de inanição. rs

Na verdade, inspirações vem e vão. Mas há épocas silenciosas. O silêncio poda palavras, versos, temas e inspirações. O silêncio acaba, por vezes, falando mais alto...
Mesmo quando ele fala mais alto algumas músicas e poesias continuam tocando ao fundo.
Esta que hoje ouvi é muito gostosa de cantar e fácil demais de se afeiçoar.
Ela canta o dilema do tempo que está em todo mundo, em toda parte e vai se arrastando com a gente, por toda vida.

Sobre O Tempo
Pato Fu
Tempo, tempo mano velho,
falta um tanto ainda eu sei
Pra você correr macio
Tempo, tempo mano velho,
falta um tanto ainda eu sei
Pra você correr macio
Como zune um novo sedã
Tempo, tempo, tempo mano velho
Tempo, tempo, tempo mano velho
Vai, vai, vai, vai, vai, vai

Tempo amigo
seja legal
Conto contigo
pela madrugada
Só me derrube no final.

Se quiserem ver o clipe do grupo mineiro, Pato Fu, no You Tube é só clicar em http://www.youtube.com/watch?v=OhfSkSda5TI

Um comentário:

Nanda Fala... disse...

Ei queridíssimaaaa!
Obrigada pelos comentários tão entusiasmados no meu blog, viu!
Hoje, lendo o seu post, me identifiquei muito. Até para mim, que sou faladeira, e nem um pouco pretensa a poeta, acho difícil ter assunto sempre. Mas o silêncio é bom conselheiro. Ele nos faz encontrar pensamentos perdidos nos ruídos do mundo.
E o tempo... ah, nunca foi cruel... Sempre muito generoso. Sábio. "Mano velho" mesmo. Salveeee
Bjs, amiga, continue por aí, adoro quando chega atualização!